Man cave

Investigadores portugueses criam pranchas de surf amigas do ambiente

O objetivo é acabar com as cinco mil pranchas que todos os anos vão para o lixo e que não são recicladas.

Investigadores do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC) estão a desenvolver uma prancha de surf mais amiga do ambiente e que ajuda os aprendizes da modalidade a ganhar equilíbrio. Tudo porque anualmente há entre três a cinco mil pranchas que vão para o lixo sem possibilidade de serem recicladas. E isto tudo só em Portugal.

O projeto desenvolvido pelo ISEC tem como objetivo criar uma prancha de surf sustentável que, através de um registo de desempenho, corrige ainda a postura dos novatos. Assim vão aprender as melhores formas de estar em cima da prancha, o que vai melhorar o seu equilíbrio no mar.

“A biomecânica permite associar a destreza dos materiais da prancha com a forma como o atleta se deve posicionar para atingir um maior equilíbrio e melhor postura corporal, do seu corpo e acelerar a sua aprendizagem”, diz Mário Velindro, presidente do ISEC, em comunicado.

A ligação entre os homens e o produto já está a ser avaliada, estando prevista a finalização do projeto e comercialização dos novos equipamentos para 2021.

A ideia para este projeto ecológico nasceu na Associação de Desenvolvimento Mais Surf (ADMS), da Figueira da Foz. Tendo em conta que as pranchas utilizadas pelas escolas de surf usam materiais como o petróleo e que, anualmente, cada uma inutiliza entre oito a 15 pranchas, o presidente da ADMS, Eurico Gonçalves, explica que só em Portugal serão cerca de três a cinco mil pranchas por ano a acabarem no lixo e sem forma de serem recicladas.

“As pranchas das escolas de surf são geralmente poluentes, uma vez que os materiais que as compõem são derivados do petróleo e estas não costumam durar muitos meses”, argumenta Eurico Gonçalves no mesmo comunicado, acrescentando que pretendem que esta nova versão “seja de madeira, tal como a de 1942, e que também seja leve e evoluída tecnologicamente para o seu tempo”.

De acordo com o ISEC, estas novas pranchas estão a ser feitas com materiais sustentáveis como madeira e agave e podem depois ser recicladas e dar origem a outras pranchas. Este cuidado fará com que sejam “mais leves e fáceis de manusear, garantido a sua rigidez e resistência mecânica”, e até já foram testadas pelo surfista Nuno Fernandes.