Desporto

O vermelho de Cristiano Ronaldo poderia ter sido outro

Para contratar o internacional português, o Liverpool teria de furar o teto salarial da equipa.
O Liverpool não é campeão desde 1990.

Não é segredo para ninguém que o Arsenal falhou a contratação de Cristiano Ronaldo quando ele ainda era jogador do Sporting. Agora, soube-se que o Liverpool teve também a oportunidade de ter o craque do Real Madrid no seu plantel.

Corria o ano de 2003 e os reds eram treinados pelo francês Gerard Houllier. Para contratar o melhor do mundo nessa altura, o clube teria de furar o teto salarial da equipa, algo que a direção do clube decidiu não arriscar no miúdo do Sporting. Além disso, o técnico galês convenceu-se — misteriosamente — de que o plantel da época lhe dava todas as garantias.

“Fui ver o Ronaldo ao Torneio Internacional de Toulon Under-21 e decidimos avançar, mas tínhamos uma política salarial na altura e não pagávamos valores como aquele que ele queria”, disse o antigo treinador ao “Liverpool Echo“. E continou: “Foi então que o Manchester United jogou um particular contra o Sporting e os futebolistas deles disseram ao Sir Alex Ferguson: ‘tens de o contratar’. Mas na altura eu concordei em não quebrar as regras salariais estabelecidas, pois pensei que isso iria criar problemas no nosso balneário”, prosseguiu Houllier.

Além da questão do teto salarial, entrou em cena o australiano Harry Kewell, contratado na mesma altura ao Leeds United.

“Talvez tivéssemos conquistado o título com o Ronaldo na equipa, mas tínhamos o Harry Kewell, que era um fora-de-série e estava motivado. Mas infelizmente, lesionou-se com gravidade e nunca mais voltou a ter a mesma confiança, o mesmo ‘apetite'”, concluiu o francês.