Desporto

Eles marcaram um golo, o apanha-bolas celebrou e acabou esmurrado em campo

A cena de pancadaria envolveu jogadores, apanha-bolas e até os massagistas.

Que o futebol mexe com os corações dos adeptos e dos próprios jogadores, já todos sabemos. E que por vezes acontecem situações imprevistas no calor do momento, também não é novidade. Mas agredir apanha-bolas é algo que não se vê todos os dias. Aconteceu no Brasil, num jogo do campeonato de Mato Grosso do Sul.

Foi no jogo que opunha o Comercial e o Operário FC que aconteceu o inesperado. Depois de Jô, avançado do Comercial marcar o único golo, os jogadores do Operário ficaram frustrados. Até aqui, tudo certo. Só que Jefferson Reis não achou piada à celebração de Tadeu Francisco Júnior, o apanha-bolas da equipa da casa. Ao sair do banco, Jefferson dirigiu-se ao jovem de 19 anos, atirou-o ao chão e começou a esmurrá-lo.

O caos instalou-se e vários jogadores tentaram separar Jefferson de Tadeu. Depois de o árbitro mostrar o cartão vermelho ao jogador, Rodrigo Gral do Operário e Jéferson Baré do Comercial foram também expulsos e a partida terminou.

A polícia acabou por deter os envolvidos. Tadeu revelou que foi sido agredido por quatro pessoas, todas da equipa do Operário, num grupo que contava também com o massagista e um dos treinadores de guarda-redes. Os jogadores do Operário desculparam-se com a forma provocatória como Tadeu terá celebrado o golo.

“Tudo começou quando o apanha-bolas, no momento do golo da equipa dele, fez gestos obscenos para a maior claque de Mato Grosso do Sul”, afirmou Estevão Petrallas, presidente do Operário. O dirigente foi ainda mais longe e acusou o jovem de ser o culpado da cena de pancadaria.

“Ele começou a chutar o massagista, o massagista defendeu-se e ele foi para o banco de suplentes do clube e continuou a provocação. Infelizmente o atleta Jefferson é o que aparece em cima do apanha-bolas, dando a impressão que só houve aquilo”.

Jefferson acabou por ser suspenso pela direção do clube.