Comer e beber

Contra o racismo, um brinde entre cervejas rivais

Tudo para mostrar que "contra o racismo não há rivais".

O futebol português voltou a ser assunto mundial, não pelos golos ou pelos resultados, mas por um episódio de racismo que correu mundo. No Vitória SC 1-2 FC Porto, o minuto 70 ficou marcado pelo abandono do terreno de jogo por parte de Marega.

O avançado maliano fartou-se de ouvir urros, insultos racistas e imitações de primatas da bancada e optou por abandonar o terreno de jogo, numa decisão rara que serviu para chamar a atenção para um dos problemas que tem assolado o futebol mundial: o racismo.

Foram várias as reações, cá e lá fora, em apoio do jogador e de censura ao gesto de alguns adeptos da equipa de Guimarães. Nas redes sociais, duas cervejas rivais deram o exemplo com um anúncio em comum.

Para qualquer português, a pergunta é suficiente para gerar longos debates filosóficos: vai uma Sagres ou uma Super Bock? Mas na hora de abordar o racismo, as duas marcas de cerveja puseram a rivalidade de fora e apostaram numa única mensagem: “Contra o racismo não há rivais”. Um brinde a isso.

Contra o racismo, um brinde entre cervejas rivais