Atualidade

Entre dura resposta a críticos, Lana Del Rey anunciou novo álbum

Cantora responde a quem a acusa de "dar glamour a abusos".

Numa publicação no Instagram para os seus mais de 16 milhões de seguidores, Lana Del Rey respondeu a críticos deixando ainda algumas indiretas pouco subtis a outras cantoras.

“Agora que a Doja Cat, a Ariana, a Camila, a Cardi B, a Kehlani, a Nicki Minaj e a Beyoncé conseguiram chegar a número 1 do top com canções sobre serem sexy, andarem nuas, foderem, traições, etc posso por favor voltar a cantar sobre sentir-me bonita por estar apaixonada, ainda que a relação não seja perfeita, sem ser crucificada e sem me acusarem de estar a dar glamour a abusos?”, questionou.

Acusada de romantizar a violência e abuso nos seus dois primeiros álbuns,  “Born to Die” e “Ultraviolence”, a cantora atirou-se a “mulheres jornalistas e cantores alternativos” que, escreve, a acusam de “tornar a violência numa coisa glamorosa quando na verdade sou só uma pessoa glamorosa a cantar sobre relações abusivas que existem em todo o lado”.

A cantora vai mais longe e realça ainda que, com a abertura que houve na última década a assuntos “que as mulheres podem finalmente explorar”, é “patético” que se centrem nas suas letras, que em certos momentos falam de “papéis por vezes submissos ou passivos que tive em certas relações”, acusando-a de fazer “regredir em centenas de anos”, os direitos das mulheres”.

“Não é que não seja feminista”, acrescentou ainda, “mas tem de haver um espaço no feminismo para as mulheres que têm o meu aspeto e o meu comportamento”.

Na sua missiva aberta, Lana Del Rey deu ainda conta que está a trabalhar em dois álbuns de poesia onde irá explorar algumas temáticas que já trabalhou na música, tal como fará com o seu novo álbum, o quinto, que será lançado “a 5 de setembro”.

“Norman Fucking Rockwell!” é o mais recente álbum de originais da cantora, tendo sido lançado em agosto do ano passado.