Atualidade

É assim que deve proteger-se do coronavírus

Número de infetados continua a subir e a espalhar-se por vários países.

Nos últimos dias foram registadas cerca de 80 mortes devido ao coronavírus e prevê-se que sejam cerca de 100 mil os infetados por todo o mundo. Depois do aparecimento de casos na China, no Japão, nos EUA, na Coreia ou no Reino Unido, o mais recente é na Alemanha, como foi confirmado esta terça-feira, 28 de janeiro. Para tentar controlar a proliferação do vírus, as autoridades estão a fazer algumas recomendações.

Mais do que com uma simples gripe, é necessário ter redobrados cuidados para não contrair nem disseminar o tão perigoso coronavírus, para o qual ainda não há vacina nem cura. De acordo com o “The Guardian”, a Organização Mundial da Saúde e as Nações Unidas estão a apelar aos cidadãos que tomem medidas de proteção, especialmente se estão ou estiveram em zonas contaminadas. Se têm viagem marcada para esses locais, o melhor é cancelar.

Esteja ou não numa zona já afetada, o melhor é manter algumas medidas como lavar frequentemente as mãos com sabão e água quente e desinfetá-las com soluções de álcool próprias para o efeito. Sempre que tiver necessidade de espirrar ou tossir cubra a boca com o interior do cotovelo ou com um lenço descartável. Se souber que determinada pessoa tem sintomas como febre ou tosse, evite o contacto. O mesmo é válido para interações com animais, quer estejam vivos quer em mercados.

No que toca à alimentação, também há cuidados que deve ter como evitar consumir alimentos crus ou mal cozinhados. Opte por comidas realmente bem cozinhadas como cozidos, por exemplo, e tenha atenção aos alimentos frescos para evitar a contaminação cruzada com aqueles que forem cozinhados.

Usar máscaras de proteção pode ser uma boa ideia, mas as organizações alertam para o facto de elas não serem totalmente eficazes. Por um lado, porque nem sempre ficam ajustadas corretamente à cara de cada um, e por outro não cobrem os olhos. Por isso, evite ainda tocar na cara para não estimular a transmissão das bactérias das mãos para a boca e muito menos para os olhos.

Por fim, no caso português, não se dirija a nenhum hospital ou centro de saúde caso suspeite de estar infetado com o coronavírus. Pelo contrário, ligue para a linha de apoio do Saúde 24 e explique o caso, contando todas as viagens que fez recentemente e detalhes que possam ajudar a perceber se estará ou não infetado. Sintomas como febre, tosse ou dificuldade em respirar devem ser sinais de alerta para que consulte o médico rapidamente.