Bem-estar

Uma das rotas mais bonitas do mundo é portuguesa – e acaba de ganhar mais 300 quilómetros

A “Condé Nast Traveller” escolheu esta costa como uma das suas preferidas em 2017, onde se juntaram-se mais passeios a pé e de BTT.

A Rota Vicentina é um dos percursos mais belos do País. O que é que podia ser melhor? Se ele se tornasse mais longo. Desejo concretizado: à rota inaugurada a 11 de maio de 2012 juntam-se agora mais 300 km de caminhada, num total de 740 km de percurso – e 1000 km para fazer de bicicleta.

O novo caminho de Sagres a Lagos, integrado rede de percursos pedestres no Algarve e Alentejo pelo Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, liga a serra ao mar, tornando possível passeios que o levam entre penhascos, arribas e o oceano.

Considerando apenas a distância entre o Cabo de São Vicente e Lagos, somam-se aproximadamente 50 quilómetros ao traçado original, que se ramificam em diferentes percursos. O troço já era usado para trilhos, mas passa agora estar ordenado e sinalizado.

A rota é formada pelo Caminho Histórico, o Trilho dos Pescadores e Percursos Circulares. Sete anos depois, apresenta-se com 12 etapas para o Caminho Histórico, nove Trilhos dos Pescadores e oito Percursos Circulares. O novo troço pelo Cabo de São Vicente e que termina em Lagos passa também por algumas das praias mais bonitas da região.

Há velhos caminhos costeiros recuperados e sinalizados que adicionam cerca de 47 quilómetros ao Trilho dos Pescadores, que começa em Porto Covo e que tinha já 125 quilómetros.

O caminho histórico começa em Santiago do Cacém, passando pelo interior, e termina no cabo de São Vicente. Inclui também novos trajetos que passam por Santiago do Cacém, Sabóia-Santa Clara ou Odeceixe, além de vários percursos por São Martinho das Amoreiras, São Luís ou Cercal do Alentejo.

Às caminhadas juntam-se diversas actividades complementares, como passeios de barco ou de burro, aulas de surf, propostas culturais, retiros temáticos com ioga ou massagens.

Para quem gosta de BTT, a surpresa é ainda maior. Há mil quilómetros de trilhos, com várias estações de apoio em zonas estratégicas. E se tiver um voo de ligação de Lisboa a Faro, pode mesmo optar por fazê-lo à pedalar. Haverá uma proposta de percurso de 510 km que liga os dois aeroportos.

Agora, com o cruzamento da meta de Lagos, o território natural e “identitário” destes caminhos completa-se, revelou  Marta Cabral, presidente da Associação Rota Vicentina, ao “Público”. A responsável avançou que serão criados mais percursos circulares, além de novas propostas de programas e actividades.

Em fevereiro de 2016, o Caminho Histórico da Rota Vicentina foi distinguido com a certificação europeia “Leading Quality Trails – Best of Europe”, pela European Ramblers Association e a “Condé Nast Traveller” escolheu a rota como um dos trilhos mais bonitos do mundo em 2017. O trilho onde o cabo de São Vicente é o ponto essencial deverá ter mais informações disponíveis no site da rota até final de maio. Carregue na galeria para ver mais imagens do percurso.