Atualidade

Nesta passerelle desfilam crianças à procura de novos pais

O evento polémico acontece no Brasil e já vai na terceira edição. Na plateia estão os potenciais pais adotivos.

Tinha tudo para não existir ou pelo menos para não sobreviver à primeira edição. Acontece que este desfile polémico teve lugar pela terceira vez no Pantanal Shopping, um centro comercial em Cuiabá, no Brasil. Na terça-feira, 21 de maio, dezenas de crianças voltaram à passerelle, com a particularidade de todas elas estarem em centros de adoção. Nas redes sociais e na imprensa, a indignação começou a crescer.

No evento organizado pela Comissão de Infância e Juventude da Ordem dos Advogados do Brasil e pela Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção, crianças entre os quatro e os 17 anos desfilam numa passerelle para os potenciais pais adotivos, devidamente arranjadas como se de um espetáculo de moda se tratasse.

Nesta passerelle desfilam crianças à procura de novos pais

Muitos brasileiros mostraram o seu desagrado com a iniciativa, acusando os responsáveis pelo evento de tratarem crianças como se fossem objetos ou gado. Até Guilherme Boulos, candidato às últimas eleições presidenciais, apelidou o evento de uma “perversidade inacreditável” com “efeitos devastadores”, segundo relata o “Diário de Notícias”.

A organização do projeto, através de Tatiane de Barros Ramalho, presidente da Comissão de Infância e Juventude, explicou a ideia inicial: “É uma noite para os pretendentes – as pessoas que estão aptas a adotar – poderem conhecer as crianças, a população em geral ter mais informações sobre adoção e as crianças terem um dia diferente, em que irão se produzir, o cabelo, a roupa e a maquilhagem, para o desfile.”

Quanto à gerência do centro comercial, Ticiana Pessoa, responsável pelo marketing do espaço, justifica que é uma honra poder receber um projeto que incentiva a sensibilização sobre a adoção. As lojas de roupa e de artigos para crianças contribuíram com as peças e acessórios utilizados no desfile.

Entre candidatos a pais adotivos e outros assistentes, estiveram na plateia cerca de 200 pessoas.